domingo, 24 de abril de 2011

Faça eles se perguntarem porque ainda está sorrindo.


Faça eles acreditarem que você realmente não se importa, e que aquilo jamais fará diferença no seu dia a dia, faça que já se acostumou a ser decepcionada e por isso não se apega a ninguém, faça que a sua vontade de lhe dar um soco bem no meio da cara não existe, e mostre os dentes, como quem curte a madrugada pelo simples fato dela existir, mostre que não precisa de ninguém pra ter diversão, mostre que alguns passos inventados em uma música ruim já são o ápice na sua noite, não olhe, ele não está ali, não sinta, não chore, não fique triste e não tenha raiva, deixe isso pra quando ninguém estiver olhando, abrace as amigas tristes e dê forças a elas, por mais que seu peito esteja ferido e o coração dilacerado, esqueça amores mal resolvidos, esqueça as notas ruins na faculdade, esqueça os problemas em casa. Faça todos se perguntarem porque apesar de tudo correr de mal a pior na sua vida, você ainda sorri...

domingo, 17 de abril de 2011

Vida segundo Charles Chaplin.


A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade. Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?

Charles Chaplin